Translate this blog

Pesquisar este blog

7.30.2011

Santos (SP) tem um dos 30 blogs de Empreendedorismo mais populares do Brasil!!!!



Caros colegas,

Compartilho a presente mensagem ainda emocionado... é um momento ímpar para todos nós que militamos diaria, ardua e interdisciplinarmente no campo da Hospitalidade.

Com muito orgulho, vos informo que o blog [RH em Hospitalidade] é um dos TOP 30 mais votados no Prêmio Top Blog 2011, a maior premiação de blogs do Brasil.

Em 2011, concorremos na categoria "Empreendedorismo", ou seja, é a bandeira do Turismo, da Hotelaria, da Gestão de Pessoas, dos Eventos, da Gastronomia e da Hospitalidade sob a égide do mundo dos Negócios.

Essa conquista, ainda em construção, pois o concurso seguirá até o final desse ano, é um resultado 'de' e 'para' TODOS, todos nós! Orgulhem-se disso!

Agradeço por seus votos, mas lembro que a caminhada é longa. A campanha continua. Sigamos em frente... juntos.

Um forte abraço!

Sucesso sempre,
Aristides Faria

Santos (SP), 29 de julho de 2011.

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



7.26.2011

É hora de ser gentil

Por: Reinaldo Polito

Para falar da gentileza, vou aproveitar o comentário que o filósofo René Descartes fez sobre o bom senso na sua obra "Discurso do Método": "o bom senso deve ser o bem mais bem distribuído da face da Terra, pois ninguém deseja ter quantidade maior do que já possui."

E não é assim que a maioria de nós se comporta? Queremos um pouco mais de tudo -mais poder, mais riqueza, mais fama, porém, julgamos ter bom senso em quantidade mais que suficiente.

O mesmo ocorre com a gentileza. Quase sempre imaginamos que já somos suficientemente gentis. Se dissermos a uma platéia que de cada cem pessoas apenas dez são gentis, provavelmente todos os presentes julgarão que se enquadram nesses 10%.

Por isso, vamos refletir um pouco sobre como temos nos relacionado com as pessoas e sejamos nosso próprio juiz para decidirmos se a gentileza está ou não presente em nossas atitudes.

Se chegarmos à conclusão de que o bom relacionamento anda ausente do nosso manual de conduta, talvez possamos rever a maneira como temos nos comportado e passemos a levar uma vida social diferente, com mais generosidade.

..:: É simples ser gentil ::..

Embora um dos símbolos da gentileza seja o do homem que tira o casaco e o coloca sobre a poça para que uma mulher caminhe sem molhar os pés, no dia-a-dia, ser gentil não exige tanto sacrifício.

Para ser gentil basta tomarmos alguns pequenos cuidados que não nos darão tanto trabalho, nem nos desviarão muito dos nossos afazeres. Vamos analisar alguns exemplos de gentilezas que podemos incorporar com facilidade aos nossos hábitos.

Segurar a porta de entrada do restaurante ou do elevador para que a pessoa a encontre aberta. Essa atitude tão simples demonstra educação, generosidade e espírito de solidariedade.


Quem sabe alguém pudesse questionar agora: "Polito, mas o que eu ganho sendo gentil?" Bem, nós não deveríamos nos preocupar se há ou não algum tipo de lucro, benefício ou vantagem para quem age com gentileza. Em todo caso, se for preciso falar em dividendos para que uma pessoa se anime a ser gentil, motivos não faltarão.

No exemplo acima, ao segurar a porta na entrada do restaurante ou do elevador, a atitude simpática talvez não seja valorizada apenas por quem foi beneficiado pelo gesto, mas também, e acima de tudo, por todos que presenciaram aquela gentileza.

..:: Leia o artigo na íntegra no UOL Carreira!

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



7.23.2011

Prêmio Top Blog 2011 ::: Votem!!




Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



Gestão de mudança em ambiente organizacional é um dos treinamentos oferecidos pela Six Sigma Brasil

Atualmente, o mundo corporativo é cercado de incertezas e cenários cada vez mais desconhecidos. Isso faz com que as únicas convicções afixadas são que as mudanças são inevitáveis e constantes.

Buscando fornecer subsídios para que os profissionais das empresas planejem uma mudança organizacional com base em mudanças de processos de TI, oferecendo mínimos impactos, a Six Sigma Brasil e empresa parceira KSC trazem o treinamento Gestão de Mudança em Ambiente Organizacional.

“Muitos dos fracassos nesse segmento se devem a falta de uma consideração e planejamento apropriados da mudança organizacional (estrutura e processos) naturalmente decorrentes da implantação de uma nova forma de automação dos processos”, comenta Paulo F. W. Keglevich de Buzin, o Mestre e Gerente de Projetos que lecionará o curso.
Entre outras abordagens, os participantes aprenderão como identificar o perfil exibido por indivíduos, equipes e organizações durante as mudanças; como incrementar a dinâmica entre indivíduos e equipes para melhorar o desempenho; como avaliar a disponibilidade e condições de uma organização para a mudança por meio de aplicação de abordagens e técnicas já testadas e como avaliar os estilos de liderança e respectivo impacto na mudança.
A linguagem do curso será predominantemente expositiva, com a promoção de discussões sobre várias situações a nível estratégico que requerem a aplicação de algumas melhores práticas de gestão recomendadas. A apropriação dos conceitos é mais eficaz com a contextualização nas experiências dos participantes e com alguns exercícios práticos.

Além desse treinamento, o portal Six Sigma Brasil oferece outros cursos de capacitação, como Black Belt Intensivo de 80h, Máster Black Belt, Oficina de Gerenciamento de Portfólio, Treinamentos e Workshops em PRINCE2, Green Belt 80h, BrinqLean Office, Cheetah Exam Preparatório para Certificação PMP, Curso Introdutório para a Implantação da Inovação Estruturada, Preparatório para Exame PMP do PMI, SAEP - Seminário de Ger. de Projetos e o Congresso Six Sigma Brasil – 2012.

Para saber sobre investimentos e inscrições, clique aqui!

..:: Informações para a imprensa ::..
Eliana Zani - Omnipress Comunicação Empresarial
(11) 3976-0225 | 9781-2402

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



Restaurante Aromatique comemora o Dia 14 de agosto com cortesia para crianças

Para comemorar o Dia dos Pais no domingo, 14 de agosto, com um programa digno dessas importantes pessoas, o chef Tohya, responsável pelo restaurante Aromatique instalado no Meliá Jardim Europa, elaborou um almoço especial e bem diferenciado para agradar a todos os paladares. E como os filhos são o motivo da comemoração, crianças até 10 anos são consideradas cortesia.

..:: Almoço no Restaurante Aromatique para o Dia dos Pais ::..

..:: Entrada ::..

Pétalas de Tomate Marinado, Buquê de Folhas Selecionadas, Salada de Rúcula, Abacate com Cebola Roxa e Cebolinha, Vagem com Pimentões e Azeitonas, Palmito Assado ao Molho de Alcaparras, Berinjela com Gergelim Torrado, Trigo Libanês com Frango Desfiado Hortelã e Coalhada, Saint Peter Marinado, Salmão com Endro Dill e Laranjas e Quiche de Queijo Brie com Damascos.

..:: Pratos Quentes ::..

Badejo Aromatizado com Tomilho, Limão e Karfir ao Molho de Cupuaçu, Peito de Frango Gratinado com Creme de Gorgonzola e Peras, Filé Grelhado sobre Legumes Cogumelos ao Forno, Arroz Branco, Legumes Torneados na Manteiga, Tomates com Ervilha Torta e Cebola Roxa no Azeite, Purê de Banana da Terra, Batatas ao Forno, Risoto de Açafrão e Lulas, Sorrentini Recheado com Burrata ao Sugo e Manjericão,

..:: Penne Integral com Ragu de Codornas e Estragão ::..

Especial Buffet de Sobremesas

Frutas Laminadas, Petit Gateau de Chocolate Quente com Sorvete,

Pudim de Brioche com Geléia de Framboesa, Mini Tarteletes Variadas,

Merengue com Frutas Frescas e Pudim de Leite

..:: Serviço ::..

Onde: Restaurante Aromatique – Meliá Jardim Europa

Quando: 14 de agosto de 2011, das 13h às 17h.

Quanto: R$ 68 por pessoa (incluso buffet completo de entradas variadas, pratos quentes, sobremesas e bebidas – água, suco de laranja, refrigerante e chopp)

Crianças até 10 anos são consideradas cortesia.

Estacionamento grátis para um automóvel

Música ambiente

..:: Informações e reservas:
Fone: (11) 3702-9600
E-mail: jardim.europa@meliahotels.com.br

Rua João Cachoeira, 107 – Itaim - Bibi – São Paulo - SP - www.meliajardimeuropa.com

..:: Sobre o Meliá Jardim Europa ::..

O Meliá Jardim Europa figura atualmente como uma das mais escolhidas opções de hospedagem em São Paulo. Estrategicamente localizado no Itaim Bibi, na Rua João Cachoeira, o hotel oferece apartamentos confortáveis proporcionando um serviço pleno, tornando o período de permanência na cidade o mais agradável possível. O Meliá Jardim Europa tem uma decoração sofisticada e moderna e conta com piscina, sauna, fitness center, lobby bar e o restaurante Aromatique com buffet no café da manhã e almoço, bem como serviço à la carte no jantar.

..:: Sobre a Meliá Hotels International ::..

Fundada em 1956 em Palma de Mallorca (Espanha), a Meliá Hotels International é uma das maiores companhias hoteleiras do mundo, além de líder absoluto do mercado espanhol. Na atualidade dispõe de mais de 350 hotéis e 87.000 apartamentos distribuídos em 35 países de 4 continentes, comercializados sob as marcas: Gran Meliá, Meliá, ME, Innside, TRYP by Wyndham, Sol e Paradisus. O Club Meliá, único club de férias entre as hoteleiras espanholas, complementa a oferta de produtos e serviços da Companhia.

Em 2011, a companhia familiar fundada por Gabriel Escarrer Juliá, e que durante décadas operou sob a denominação “Sol Meliá” empreende uma nova caminhada sob a marca que representa seu presente, e seu futuro: Meliá Hotels International.

..:: Meliá Hotels International no Brasil ::..

A Meliá Hotels International está no Brasil desde 1992 e mantém escritório corporativo em São Paulo. Atualmente, administra 14 empreendimentos, localizados nas cidades de São Paulo, Angra dos Reis, Brasília e Campinas. A Meliá Hotels International - Divisão Brasil vem atuando principalmente no segmento de hotéis “business” e também administra o Meliá Angra Marina & Convention, no segmento “resort”. A companhia tem ainda em seus planos, a abertura de novos empreendimentos de lazer no Nordeste, além de novos projetos em outras capitais brasileiras.

..:: Informações para a imprensa ::..
Eliana Zani - Omnipress Comunicação Empresarial
(11) 3976-0225 | 9781-2402

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



Meliá Hotels International fecha acordo com a fundação “Fabrics for Freedom”

A área de Desenvolvimento Sustentável da Meliá Hotels International anunciou um acordo de colaboração com a fundação Fabrics for Freedom (FFF) pelo qual a hoteleira adquiriu 25.000 bolsas de tecido ecológico para sensibilizar seus clientes e promover o consumo responsável.

Estas bolsas serão empregadas no serviço de entrega de jornais diários aos clientes do programa de fidelidade mas, em todos os hotéis das marcas Meliá, Gran Meliá, ME by Meliá, Innside by Meliá e Paradisus, com a seguinte mensagem: “com esta bolsa queremos ser mais responsáveis com o meio ambiente”.

A Fundação Fabrics for Freedom, que a designer Sybilla lidera, apóia e fomenta o consumo têxtil responsável, promovendo a produção de tecidos naturais associados a projetos sociais e de cooperação.
A bolsa é confeccionada com algodão orgânico da Índia, onde a FFF, em colaboração com a Fundação Navdanya (criada pela ativista e pacifista Verdana Shiva), está fomentando entre os agricultores o cultivo do algodão orgânico, para fazer deste um meio de vida digno e sustentável. Todos os processos associados à confecção, produção e distribuição das bolsas se ajustam aos critérios sociais, meio ambientais e econômicos do Comércio Justo.
Com esta ação, a Meliá Hotels International, que seguirá trabalhando para incorporar mais produtos têxteis ecológicos, pretende não só dar seu apoio a projetos de cooperação como o impulsionado por Fabrics for Freedom, que ajudam a pequenos produtores e agricultores, mas também, sensibilizar o público a um consumo têxtil responsável.

..:: Sobre a Meliá Hotels International ::..

Fundada em 1956 em Palma de Mallorca (Espanha), a Meliá Hotels International é uma das maiores companhias hoteleiras do mundo, além de líder absoluto do mercado espanhol. Na atualidade dispõe de mais de 350 hotéis distribuídos em 35 países de 4 continentes, comercializados sob as marcas: Gran Meliá, Meliá, ME, Innside, Tryp by Wyndham, Sol e Paradisus. O Club Meliá, único clube de lazer e férias entre as hoteleiras espanholas, complementa a oferta de produtos e serviços da Companhia.

Em 2011, a companhia fundada por Gabriel Escarrer Juliá, e que durante décadas operou sob a denominação “Sol Meliá” empreende uma nova caminhada sob a marca que representa seu presente, e seu futuro: Meliá Hotels International.

..:: Sobre a Fundação Fabrics For Freedom ::..

Fabrics For Freedom é uma fundação presidida pela designer Sybilla e formada por uma equipe de colaboradores plenamente comprometidos com seus objetivos. A missão da FFF é sensibilizar para um consumo têxtil responsável, promover as fibras têxteis naturais, sua confecção e produção associadas a projetos sociais.

..:: Informações para a imprensa ::..
Eliana Zani - Omnipress Comunicação Empresarial
(11) 3976-0225 | 9781-2402

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



Turismo Brasileiro: seu nascimento compromete sua existência

Por:João dos Santos Filho*

O processo de existência da humanidade é resultado do movimento histórico, iniciado nas relações sociais, alimentadas pelos interesses de poder político, econômico e cultural. Com isso, entendemos que o processo histórico é constituído de “[...] formas moventes e movidas da própria matéria: formas de existir, determinações da existência” (LUKÁCS, 1978, p. 3). Assim, alertamos que nada ocorre ao acaso, como se fosse, obra do destino, mas sim, é produto de uma trajetória histórica dialética determinada pelas relações de produção e forças produtivas.

Com isso, descartamos que o fenômeno turístico seja uma atividade eminentemente burguesa e restrita a uma determinada classe social, que a toma como produto do desenvolvimento do capitalismo. Tal percepção é muito mais comum do que pensamos, pois se analisarmos as tentativas feitas pelo Estado brasileiro para trabalhar o fenômeno do turismo, percebemos que os motivos são de irresponsabilidade político pedagógica, como pode ser percebido de forma mais explicita, nas propostas ou medidas com esse perfil adotadas pelo Plano Nacional de Turismo de 2003 até 2014. As atividades eletivas para a intervenção são imediatistas e casuísticas e dirigidas somente para o turista estrangeiro, fora de qualquer plano global que leve em conta o conjunto do turismo nacional e das “Políticas Publicas” nesse setor.

Declarar que a Política Nacional de Turismo e sua estrutura política administrativa burocrática são comandadas por políticos de carreiras e profissionais duvidosos que foram indicados por políticos barganhadores de seu apoio ao governo de sustentação a Dilma Rousseff. Constitui-se em uma máxima verdade que é verdadeira, mas não explica na totalidade histórica do fato e, portanto, não chega à verdade, pois confunde a aparência com a essência dos fatos. E fornece uma resposta simplista para um fato social que necessita ser abstraído pelo sujeito com o objetivo de compreender todas as variáveis que compõem aquele fato social.

A compreensão exata desse processo de aberração para com o comando da burocracia do Estado brasileiro no campo do turismo, só pode ser compreendida quando nos reportamos à revolução de 1930 com a entrada de Getúlio Vargas no comando do Estado brasileiro, rompendo com as antigas oligarquias latifundiárias mineiras e paulistas, que perdem seu poder dirigente do Estado brasileiro, dando lugar à lógica de reformas para um capitalismo reformista.

Em 1939 Getúlio consegue estabelecer as diretrizes do Estado Novo, isto é, remodela a organização do Estado brasileiro na figura e entorno de sua própria pessoa e do turismo, como o pai dos pobres e faz uma política voltada para preparar a “força de trabalho” para ingressar no processo de industrialização.

Para isso necessita de um Estado forte e hegemônico em uma fala política em que o processo de inculcação ideológica - o chamado getúlismo organizado pela Divisão de Imprensa e Propaganda se torne a espinha dorsal de seu comando político.

O Estado Getulista necessitava após a implantação da Ditadura, dizer para que e por que dominou o aparelho de Estado e escolher quem seriam seus interlocutores principais. Para isso, criou, em 1939, o Departamento de Imprensa e Propaganda - DIP, como instrumento capaz de centralizar e direcionar a ideologia do "Estado Novo" junto à população em geral e aos trabalhadores em particular. E graças à atuação "insolente" de bastidor e própria da juventude da época, a filha de Getúlio, Alzira Vargas, conseguiu impor a criação da Divisão de Turismo como uma preocupação do "Estado Novo” (SANTOS FILHO, 2007, p.1)

Atendendo a um pedido de Alzira sua filha que, coadunavam com os interesses do Estado Novo o turismo surge como um novo e interessante instrumento capaz de auxiliar no controle ideológico da massa trabalhadora e setores da burguesia. O turismo na história mundial tem um passado marcado pelos Estados ditatoriais começando pelo governo da Alemanha e Itália em 1937, as primeiras ditaduras a terem férias totalmente financiadas pelo Estado para a classe operária para cultuar a pátria através das viagens (turismo social). Foi aproveitada pelos partidos nazistas e fascistas como forma de dominação ideológica das massas em torno de um líder.

Nesse sentido, a Divisão de turismo é usada pelo Estado brasileiro como uma das formas de controlar a imagem que era divulgada sobre o chefe de Estado e o próprio Estado getulista. Nesse aspecto é que o governo getulista usa o turismo nessa mesma época para garantir a imagem de um governante moderno, audacioso, nacionalista, voltado para as necessidades das classes trabalhadoras e com ampla aceitação popular, segundo documentos da época o turismo e responsável por:
Superintender, organizar e fiscalizar os serviços de turismo interno e externo [...] plenamente justificadas pelos recursos que o Brasil oferece nesse setor, dada a extensão do seu território, a riqueza dos seus aspectos naturais, seu clima variado e suas águas medicinais, suas preciosidades históricas e, sobretudo, toda essa civilização nova que se processa em ritmo acelerado, colocando o nosso país numa situação verdadeiramente privilegiada (Revista Cultura e Sociedade, ano II n. 21, novembro de 1942, p. 184).
Com a idéia de Estado Novo que esta facilitando o aparecimento de uma civilização nova, o turismo se configurava como instrumento cívico:
[...] que se incumbia de receber e assistir os visitantes estrangeiros, facilitando-lhes o acesso aos pontos mais interessantes das nossa urbs, ao mesmo tempo que, por meio de vistosos cartazes e folhetos com informações detalhadas sobre os pontos mais atraentes do país, fazia a propaganda externa, com o propósito de melhor atraí-los à nossa terra (Revista Cultura e Sociedade, ano II n. 21, novembro de 1942, p. 172).

Conclusões

O Brasil, triste história de um Estado que utilizou o turismo como instrumento para o controle social dos brasileiros e estrangeiros, pois só servia para engrossar as manifestações operarias para “promover, organizar, patrocinar ou auxiliar manifestações cívicas e festas populares com o intuito patriótico, educativo ou de propaganda turística, concertos, conferencias, exposições demonstrativas das atividades do governo” (Revista Cultura e Sociedade, ano II n. 21, novembro de 1942, p. 173).

O turismo foi colocado dentro do Estado Novo em 1939, junto ao Departamento de Imprensa e Propaganda – DIP, como uma atividade que vive e sobrevive para controle do individuo. Portanto, se torna o lócus onde o Estado usa esse espaço para cumprir acordos políticos, nomeando para ocupar os cargos administrativos apadrinhados ou políticos de segunda grandeza que usam o cargo para galgar outras funções na estrutura do Estado.

Por isso o turismo é considerado uma atividade que politicamente serve como elemento de troca, ou seja, é usado como moeda podre no arranjo para acomodação dos interesses políticos do Estado brasileiro. Nesse caso, suas ações são paliativas, obscuras e de lesa-pátria, um verdadeiro instrumento de ajeitamentos para agregar os estapafúrdios e complexos movimentos de bricolagem da política brasileira.

..:: Bibliografia ::..

LUKÁCS, Georg. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. In Revista Temas de Ciências Humanas. São Paulo: Ciências Humanas, nº 4, 1978.

SANTOS FILHO, João dos. O turismo na era Vargas e o
Departamento de Imprensa e Propaganda. Disponível em: Revista digital. Buenos Aires. Ano 12. N. 114. Noviembre de 2007. http://www.efdeportes.com/efd114/o-turismo-na-era-vargas-e-o-departamento-de-imprensa-e-propaganda.htm. Acesso em: 10 julho. 2011.

CULTURA POLÍTICA. Revista Mensal de Estudos Brasileiros. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa e Propaganda - DIP. Ano II, n. 21, 10 de novembro de 1942.

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



7.17.2011

Palestra "Turismo de Experiência: Reflexões, Práticas e Vivências"

Olá pessoal,

Compartilho a seguir os slides utilizados em minha apresentação no 6º Salão Nacional do Turismo, evento realizado em São Paulo, entre os dias 13 e 17 de julho.

O tema da palestra foi "Turismo de Experiência: Reflexões, Práticas e Vivências" e teve como pano de fundo o lançamento do livro "Turismo de Experiência" (Editora Senac, 2010).

Agradeço aos amigos tão especiais que prestigiaram esse momento tão marcante em minha carreira. Faço aqui um agradecimento pessoal a cada um dos presentes e àqueles que não puderam estar conosco, mas que em pensamento estiveram conectados.



Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.



Noite de autógrafos - Lançamento do livro "Turismo de Experiência" no 6º Salão Nacional do Turismo



Caros colegas,

Gostaria de agradecer de coração aos colegas que prestigiaram esse momento tão marcante a todos nós co-autores do livro Turismo de Experiência (Ed. Senac São Paulo, 2010).

Não refiro-me apenas aos que estiveram conosco, como a Secretária Executiva da ABBTUR, Rita Michelon, mas a todos que emanaram energias tão positivas, seja por meio de palavras, sorrisos ou pensamentos.

Foram momentos fantásticos, que essa foto consagra, congela e eterniza.

..:: Apresento a seguir um detalhamento da composição do livro ::..

Prefácio
Jafar Jafari

Introdução
Alexandre Panosso Netto e Cecília Gaeta

Parte I. Análises teóricas

A viagem como experiência significativa
Luiz Gonzaga Godoi Trigo

Experiência e turismo: uma união possível
Alexandre Panosso Netto

Turismo de experiência e o sentido da vida
Josemar de Campos Maciel

Lazer e experiência estética: caminhos para pensar o turismo como experiência
Cleide Aparecida Gonçalves de Sousa

O fotógrafo-turista: simbiose perfeita na experiência de viajar
Cynthia Menezes Mello Ferrari

Construir, habitar, viajar: reflexões acerca da relação comunicação-turismo comunitário
Aristides Faria Lopes dos Santos

Turismo de experiência e novas demandas de formação profissional
Cecília Gaeta


Parte II. Estudos de caso

A reciprocidade como lógica determinante da experiência de viagem: o caso do CouchSurfing Project
Ana Flávia Andrade de Figueiredo

Turismo de experiência e a interpretação em museu
Claudia Corrêa de Almeida Moraes

Sentidos, sabores e cultura: a gastronomia como experiência sensorial e turística
Maria Henriqueta Sperandio Garcia Gimenes

Once upon a hotel... A valiosa experiência de estar em um lugar que é, em tudo, muito diferente da sua casa
Ana Paula Spolon

Lendas, contos de fadas e mitos dos Alpes: turismo de emoções em espaços rurais
Áurea Rodrigues, Apolónia Rodrigues

As representações da favela e seus significados: o caso dos suvenires "by Rocinha"
Fernanda Nunes

Experiências de mobilidade turística no espaço público urbano
Thiago Allis

O turismo de experiência e o marketing hoteleiro: o caso do Rio do Rastro Eco Resort, Santa Catarina (Brasil)
Tiago Savi Mondo

Sentindo na pele: corpos em movimento na experiência turística na natureza
Arianne Carvalhedo Reis

Reconstruir a experiência turística com base nas memórias perdidas
Júlio Mendes, Manuela Guerreiro

Participem de nossos diversos canais: Twitter , Linked In, Orkut, FaceBook, Via 6, Hôtelier Club, SlideShare, You Tube, Multiply e OverStream.