Translate this blog

Pesquisar este blog

6.19.2009

Escassez de talentos deixa 30% dos gestores sem opções para contratação

Escassez de recursos, queda das bolsas e desaceleração econômica foram alguns dos sintomas da crise enfrentada pelos mercados em todo o mundo. Um dos segmentos que mais sofreram com esse período de instabilidades foi o mercado de trabalho, que passou por um sério momento de redução de investimentos.

Segundo pesquisa da Manpower, líder mundial no segmento de serviços em Recursos Humanos, embora haja vagas disponíveis em diversos nichos, uma forte escassez de talentos faz com que os gestores optem por não contratar, deixando vagos cargos importantes em suas companhias. O estudo contou com a participação de 39 mil empregadores em 33 países, dentre eles Estados Unidos, França, Japão, Inglaterra, México e Canadá, e equivale ao primeiro quadrimestre de 2009.

De acordo com o levantamento, 30% dos empregadores sentem dificuldades em preencher essas vagas, o que demonstra incompatibilidade entre as qualificações profissionais disponíveis e o perfil demandado pelos executivos. "Em um ambiente em que as empresas precisam trabalhar mais estrategicamente e de forma criativa, com economia de recursos, os gestores procuram otimizar as operações com uma equipe cada vez menor. Embora haja abundância de mão-de-obra no mercado, por não atenderem aos requisitos exigidos hoje pelas empresas, ela não é aproveitada", afirma Augusto Costa, diretor geral da Manpower.

Dentre os cargos que mais enfrentam a escassez de talentos estão os de ofício manual (como eletricistas, encanadores, carpinteiros e soldadores), representantes de vendas e técnicos (produção, operação, manutenção). "Essas profissões são pouco procuradas hoje pelos profissionais, que se interessam mais por áreas tecnológicas e de gestão na chamada era da informação. Pode parecer contraditório, mas em tempos de crise, não são os cargos administrativos que estão em falta", explica Costa.

Somente na região da América Latina, 36% dos gestores apontam dificuldades em preencher vagas por conta da escassez de mão-de-obra qualificada no mercado. Em comparação ao ano passado, houve aumento de 8 pontos percentuais no índice. Dentre as profissões citadas pelos empregadores, bons técnicos são os mais difíceis de encontrar, seguidos de profissionais de finanças.

"Acompanhando o mercado brasileiro, verificamos que os cargos que mais sofrem de escassez de talentos são os de construção civil e técnicos especializados. Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e globalizado, apostar em áreas de baixa procura pode ser uma ótima alternativa contra o desemprego, ainda mais em tempos de crise mundial".

Segundo a pesquisa da Manpower, a elaboração de estratégias e políticas de retenção de talentos com a retomada do crescimento econômico será fundamental para garantir competitividade entre as empresas. "Quando os empregadores não encontram funcionários no perfil desejado disponíveis no mercado, vão buscar imediatamente em seus concorrentes. Sem uma ação de retenção de talentos sólida, a companhia pode perder um colaborador chave para o sucesso dos negócios. A tendência é que as corporações retomem os investimentos em capital humano com a melhora da economia", analisa Costa.

Nesse contexto, a consolidação da marca da empresa é imprescindível. "Deve-se criar um ambiente no qual as pessoas gostem de trabalhar, para que não aceitem trocar de endereço. Para isso, a companhia precisa investir na criação de conexões emocionais com seus colaboradores, seja por meio de ações de comunicação interna ou de marketing", diz Costa.
Postar um comentário