Translate this blog

Pesquisar este blog

1.15.2009

Crise aumenta procura por seguro-desemprego no país

Fonte: Folha Online

O agravamento da crise mundial e seus reflexos no mercado de trabalho brasileiro nos últimos meses de 2008 elevou em mais de 20 mil o número de pedidos de seguro-desemprego registrados pelo Ministério do Trabalho em dezembro, revela reportagem de Julianna Sofia na Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal).

Dados parciais revelam que no mês passado foram requeridos 513.006 benefícios - 4,6% mais do que em dezembro de 2007. De janeiro a dezembro de 2008, 6,8 milhões de trabalhadores requereram o benefício. No ano anterior, foram 6,3 milhões.

Com isso, também cresceram as despesas do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) com o pagamento do benefício. Os gastos com a proteção aos desempregados em 2008 atingiram R$ 16,2 bilhões, mais de R$ 2 bilhões acima do valor de 2007 (alta de 15%). Para este ano, sem considerar os impactos da crise, a previsão é gastar R$ 18 bilhões.

Para elevar a proteção aos demitidos pela crise, o governo estuda ampliar o número de parcelas do seguro-desemprego para alguns setores.

Redução de salários

Após reunião com empresários nesta quarta-feira (14), o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, voltou a defender a redução da jornada de trabalho e de salários para evitar demissões no país. Ele advertiu, no entanto, que um possível acordo não vai garantir estabilidade do emprego.

"Enquanto a redução de jornada com redução de salário estiver em curso, a nossa preocupação é manter o nível de emprego. Mas não estamos falando de estabilidade de emprego, que não está na lei do país nem na competitividade das empresas", disse.

O ministro Carlos Lupi (Trabalho) voltou a dizer que as empresas não podem usar a crise para demitir e que não haverá mais liberação de recursos para empresas sem garantia de emprego.
Postar um comentário