Translate this blog

Pesquisar este blog

1.26.2009

Consciência : Ponto de Partida Para as Mudanças

Por: Osni Gomes

Muitas empresas empregam recursos e esforços gigantescos para implementar mudanças, mas infelizmente várias naufragam no imenso oceano do novo e do desconhecido. Inicialmente vem toda aquela empolgação, mas aos poucos as propostas caem no esquecimento e a situação tende a voltar ao que era antes ou até pior, já que há um incremento no descrédito devido às novas tentativas de mudanças frustradas.

Várias iniciativas de mudanças acontecem devido ao interesse de “andar na moda” e também ao fato de acreditar que um determinado pacote que serviu para uma organização servirá também para outra. A conseqüência é muito dinheiro, energia, tempo, etc., desperdiçados, além de um ambiente nada saudável. Outro ponto bastante negativo se refere às soluções caseiras enterradas junto com talentos deixados ao acaso.

São inúmeros os motivos que forçam uma empresa a mudar, mas independentemente de qual seja, primeiramente a mudança deve ocorrer na mentalidade das pessoas, para posteriormente atingir as rotinas, os processos, os recursos, a estrutura, etc. Não pode ser ignorado o fato das pessoas estarem em diferentes estágios de desenvolvimento pessoal e profissional. Uns são mais pensadores e se comunicam muito bem, mas têm muita dificuldade em agir. Outros agem bastante, pensando pouco, não conseguindo antever as conseqüências de suas ações. Existem ainda aquelas pessoas dominadas pelo sentimentalismo, que demonstram pouca flexibilidade, quase sempre adotando atitudes extremas devido ao temperamento. Enfim, estes são alguns dos atores da mudança e é justamente por este motivo que é fundamental um trabalho de alinhamento.

Se a consciência não for priorizada, instala-se uma guerra. Uns com medo das perdas, ficam indiferentes ou tentam atrapalhar. Outros, percebendo oportunidades, dissipam enorme energia mas acabam se cansando por lutarem sozinhos e sem rumo.

As lideranças, quando discursam para o coletivo, demonstram uma grande sintonia entre si e com os objetivos organizacionais. O problema é que quando a “bola rola”, no dia-a-dia, nas interações individuais ou em grupos menores, percebem-se práticas não condizentes com os discursos.

A jornada para colocar a empresa preparada para se apresentar em um novo cenário é longa e exaustiva, exigindo equilíbrio, liderança, paciência, coragem, comunicação, entre outros. Após conseguir sobreviver à toda turbulência (que é inerente a praticamente todo processo de mudança), sem abandonar os objetivos traçados e mantendo o máximo possível de seu efetivo humano comprometido e alinhado, a empresa estará mais madura e fortalecida, principalmente devido ao aprendizado individual e coletivo. Estas situações devem ser encaradas como particularidades de cada organização, o que é praticamente impossível de se conseguir com “fórmulas prontas”.

O primeiro público alvo das mudanças são as próprias pessoas que formam a empresa. Se estas não comprarem a idéia, os agentes externos é que não comprarão mesmo. A equipe precisa compreender a relevância e a abrangência das mudanças. É necessário aprender uma nova forma de pensar, agir e se relacionar. Estas pessoas devem ser envolvidas de tal forma que passem a ter o sentimento de posse (eu ajudei a fazer isso!). Dessa forma é obtido maior comprometimento com menor desgaste.Com muito equilíbrio e persistência é bem provável que chegará um momento onde a mudança deixará de ser uma iniciativa e se transformará numa nova filosofia de trabalho.
Postar um comentário